Shlomo SAND
(n.1948)

É historiador e Professor Emérito da Universidade de Telavive, onde lecionou História Contemporânea. Filho de pais polacos, de cultura iídiche e sobreviventes do Holocausto, passou os dois primeiros anos de vida num «campo para pessoas deslocadas» antes da família emigrar para Israel, onde efetuou o serviço militar obrigatório e combateu na Guerra dos Seis Dias (1967), experiência de que dá conta neste livro. Doutorou-se em 1982 pela École de hautes études en sciences sociales, em Paris. A sua investigação tem incidido sobre a história cultural moderna, o movimento sionista e a construção de Israel. Com tradução em 30 países, Como o Povo Judeu foi Inventado (2008), a presente obra (2012) e Como Deixei de ser Judeu (2013) propiciam-lhe projeção mundial. É ainda autor de Le XXe siècle à l'écran (2002), dedicado ao cinema. Mais recentemente publicou Une Race imaginaire (2020), descrevendo o processo de racialização dos judeus, decorrendo entre a Europa judeófoba e o Israel nacionalista, denunciando em ambos os casos a fobia em relação ao «outro», que já foi judeu e com inquietante frequência tende agora a ser árabe.

[pt] [en] [fr] [de]


Shlomo SAND, Como a Terra de Israel foi Inventada. Da Terra Santa à pátria-mãe, trad. A. Morão, Lisboa, KKYM+P.OR.K, 2020. [capas] [livro] [ibook] [kindle]


[ibook] [kindle]


oportunamente